Funcionários do 28 de Agosto entram em desespero com demanda de atendimento, diz sindicalista

0
Imagem | G1

Com o aumento de novos casos de Covid-19 em Manaus, técnicos de enfermagem que atuam na área de emergência do Hospital 28 de Agosto, zona centro-sul de Manaus, entraram em desespero nesta terça-feira (12/01) com a baixa quantidade de profissionais para prestar atendimento na unidade de saúde. As informações são da presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Santas Casas, Entidades Filantrópicas e Religiosas e Estabelecimentos de Saúde do Estado do Amazonas (Sindpriv-AM), Graciete Mouzinho.

De acordo com a sindicalista, apenas duas profissionais estavam de plantão durante o dia desta terça-feira (12/01), realizando atendimento no 28 de Agosto por conta de outros profissionais estarem infectados com a Covid-19. Segundo a presidente, que também está com Covid-19, até princípio de tumulto foi registrado devido à baixa mão de obra para atender pacientes.

“A situação do 28 de Agosto está um caos. Os funcionários estão até sem tempo para se alimentar. Eu gostaria de pedir que eles fizessem uma paralisação, mas a lei não permite porque não tem quem fique no lugar. Só estão duas funcionárias para fazer atendimento. Os governantes precisam criar vergonha na cara e contratar mais profissionais porque eles estão adoecendo, se reinfectando e eles não estão fazendo nada”, comentou a sindicalista.

Em um áudio enviado ao sindicato, um funcionário relata em tom de desespero a situação do 28 de Agosto nesta terça-feira. “Enfermeira Graciete, pelo amor de Deus. Os funcionários do 28 estão pedindo socorro. Vá no posto de medicação para a senhora ver como está. Como só tem dois funcionários, o resto está tudo com Covid”, desabafou o funcionário.

Profissionais doentes

Na segunda-feira (11/01), Graciete Mouzinho já tinha denunciado que os profissionais de enfermagem lotados nas unidades de saúde da rede estadual estão sendo obrigados a trabalharem infectados com o vírus SarsCov2 (Covid-19). Ela tinha ressaltado que muitos profissionais da saúde estão expostos em meio à nova variante Ômicron e correndo o risco de morte por atuar contaminados pela doença.

“Os nossos profissionais estão positivando nesta nova cepa, da Ômicron, de Covid-19. Eles se contaminando novamente, e não estão mandando ir para casa, para tirar a quarentena, e estão obrigando a trabalharem doente. Eles (direção das unidades) estão obrigando-os a trabalharem contaminados com covid, espalhando isto para os demais colegas. É um absurdo. Isso me deixa extremamente arrasada, triste, com essa situação. Isso está acontecendo em todos os hospitais, não é só no 28 de Agosto, mas no SPA São Raimundo, Danilo Correa, no hospital Platão Araújo, João Lúcio. As meninas estão pedindo socorro”, comentou a sindicalista.

O Amazonas Hoje aguarda posicionamento da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM).

Fonte: Amazonas Hoje

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui